Ferramenta 4.1 – Conceção da Atividade de Aprendizagem

A conceção colaborativa de Atividades de Aprendizagem inovadoras e cativantes está no centro do processo da Sala de Aula do Futuro. Um dos elementos essenciais deste processo é a partilha de ideias entre professores, pelo que o ponto de partida consiste em reunir um conjunto de professores, idealmente de disciplinas diferentes, para trabalharem juntos, em grupos de 3-4, com vista à elaboração das atividades de aprendizagem.

O processo de Conceção de Atividades de Aprendizagem descrito nesta ferramenta baseia-se na Edukata. A Edukata foi produzida pelo grupo de Investigação de Ambientes de Aprendizagem da Universidade de Aalto no âmbito do projeto iTEC. Esta ferramenta oferece um guia simples sobre a Conceção da Atividades de Aprendizagem Estão disponíveis mais informações no Guia Edukata para Professores.

Edukata do Media Lab Helsinki em Vimeo.

 

1 – Planeamento: o que lhe será necessário

Cenário da Sala de Aula do Futuro – Se estiver a acompanhar o processo integral do Kit de Ferramentas da Sala de Aula do Futuro, o Grupo Nuclear já terá criado ou selecionado um ou mais Cenários da Sala de Aula do Futuro para usar como inspiração para a conceção de Atividades de Aprendizagem (Conjunto de Ferramentas 3). A identificação de um cenário adequado é um primeiro passo indispensável.

Workshop de Criação – É no workshop de criação que a Atividade de Aprendizagem é criada. Deve ser reunido um grupo de professores (um mínimo de 3) para o workshop num local adequado em que possam discutir e partilhar ideias. Podem também ser envolvidos alunos neste processo. Idealmente, o processo destina-se a introduzir mudanças a nível de toda a escola, pelo que deve envolver todos os professores e o pessoal auxiliar. Trata-se de uma abordagem particularmente válida para assegurar que todos na escola possam contribuir para a conceção.

O processo de conceção, durante o workshop de criação, pode ter lugar numa única sessão (meio dia, por exemplo), mas tal não se recomenda, pois idealmente consiste num processo iterativo que decorre ao longo de várias sessões com um máximo de uma hora cada. Cria-se, assim, a possibilidade de desenvolver ideias entre as sessões.

Para a partilha de ideias, o workshop requer notas aderentes de diferentes cores, canetas, papel de cartaz e fita-cola. Use notas aderentes de diferentes cores para anotar ideias diferentes:

  • vermelho para desafios
  • verde para oportunidades de resolver os desafios
  • amarelo para recursos úteis
  • azul para outras ideias e apontamentos

Learning Activity Design Workshop in FinlandLearning Activity Design Workshop in Finland

Familiarização com as Atividades de Aprendizagem – Antes de criar uma Atividade de Aprendizagem, os participantes no workshop devem familiarizar-se com o que é uma Atividade de Aprendizagem.

Em termos simples, uma Atividade de Aprendizagem descreve o que os professores e os alunos fazem no âmbito do processo de ensino-aprendizagem. A Atividade de Aprendizagem pode ter lugar numa única sessão ou ao longo de várias sessões e utiliza tecnologia digital para possibilitar uma experiência de aprendizagem valiosa e cativante, apoiando o desenvolvimento das competências para o século XXI. Uma boa Atividade de Aprendizagem não é específica de uma disciplina e pode ser usada em todo o programa de estudo.

A melhor forma de compreender o que é uma Atividade de Aprendizagem é conhecer algumas. Encontram-se exemplos de Atividades de Aprendizagem, criadas e adotadas no âmbito do projeto iTEC, no Diretório da Sala de Aula do Futuro (brevemente disponível).

2 – O workshop de criação

Um workshop de criação consiste em cinco partes seguidamente descritas. A chave para o sucesso é uma boa colaboração e partilha de ideias entre os participantes. Todos os envolvidos devem ser incentivados a contribuir.

Comece por afixar o(s) cenário(s) selecionado(s) numa parede ou em papel de cartaz ou numa mesa para que todos possam vê-lo(s).

1. Desafios de conceção

Estes são os obstáculos que prevê se pretender usar um cenário. Para identificar desafios de conceção, pergunte: que dificuldades teria se tentasse implementar o cenário na sua sala de aula.

Eis alguns exemplos de desafios:

  • Cenários que envolvem trabalho de equipa - as equipas de alunos são constituídas mais com base na amizade do que no interesse e alguns membros das equipas são dominantes ao passo que outros dão poucos contributos.
  • Cenários que implicam avaliação personalizada - a avaliação individual é morosa.
  • Cenários que envolvem criatividade digital - os processos de produção de meios digitais são complexos.

Todos os envolvidos devem anotar os seus desafios de conceção em notas aderentes e afixar estas em redor do cenário.

2. Oportunidades de conceção

Formas de fazer face e superar desafios de conceção. Estas podem ser práticas existentes de outro docente ou formas simples de contornar ou evitar o desafio. 

Eis alguns exemplos de oportunidades de conceção.

  • Constitua equipas com base nos interesses dos alunos e use a "Técnica do quebra-cabeças".
  • Usar a avaliação pelos pares.
  • Usar as próprias competências dos alunos em que estes orientam outros alunos.

Os participantes devem utilizar uma nota aderente de cor diferente para acrescentar às oportunidades de conceção.

3. Ferramentas e recursos

Os recursos úteis consistem em ferramentas e outros recursos que lhe estão disponíveis e podem ser úteis para tornar um cenário numa prática de ensino-aprendizagem realista. Considere o seguinte:

  • Locais como a casa, um museu, um centro de culto ou um ambiente de estudo ao ar livre
  • Partes da escola que não utiliza com frequência e que possam dispor de outros recursos e ferramentas (por exemplo, impressora 3D no departamento de engenharia)
  • Dispositivos digitais pessoais pertencentes aos alunos
  • Ferramentas e dispositivos de avaliação, incluindo ferramentas baseadas na web disponíveis gratuitamente.
  • Ferramentas e dispositivos de criação, como por exemplo para a construção de vídeos e animações.
  • Ferramentas de colaboração para partilhar ideias e informações


As Ferramentas 4.2 e 4.3, neste kit de ferramentas, contêm muitos exemplos de ferramentas e recursos que pode utilizar para apoiar a atividade de aprendizagem. Estas ferramentas devem ser usadas antes da conclusão do processo de Criação da Atividade de Aprendizagem.

Use notas aderentes amarelas para acrescentar ideias de ferramentas e recursos.

4. Atividades de Aprendizagem

Ao longo do workshop, as discussões decorridas e as ideias geradas conduzem à criação de Atividades de Aprendizagem. Estas consistem em descrições detalhadas sobre o modo de realizar processos de ensino-aprendizagem sugeridos pelo cenário original, mas agora com mais pormenor sobre aquilo em que consiste exatamente o papel do aluno e o papel do professor e as ferramentas e recursos para conseguir realisticamente a aprendizagem. As descrições detalhadas abordam os desafios de conceção previstos, baseando-se nas oportunidades de conceção e nos recursos úteis identificados.

Para produzir uma Atividade de Aprendizagem, utilize o modelo fornecido (.doc). Os participantes podem trabalhar colaborativamente em linha, usando por exemplo Google Docs ou Titan Pad.

Um único cenário pode gerar uma ou muitas Atividades de Aprendizagem. Vários cenários podem também gerar Atividades de Aprendizagem muito semelhantes. Em geral, as Atividades de Aprendizagem devem envolver aprendizagem ativa, em que os alunos participam ativamente na aprendizagem, ao invés de serem passivamente ensinados.

Embora o processo possa variar, é fácil identificar boas Atividades de Aprendizagem. Cada atividade deve:

  • ter um título descritivo,
  • explicar sucintamente em que consiste a ideia,
  • referir o que motiva os professores e os alunos,
  • sugerir que tecnologia e outros recursos podem apoiar a atividade, e
  • incluir conselhos práticos sobre a preparação, introdução, ensino e avaliação.

Uma atividade de aprendizagem de qualidade

  • não está ligada a uma determinada área disciplinar e pode ser adotada por qualquer professor.
  • é independente de outras atividades e pode ser usada como parte de muitas sequências de aprendizagem diferentes.
  • possui profundidade, permitindo que os professores mais experientes coloquem desafios a si próprios, sendo ao mesmo tempo possível para professores principiantes.

5. Conceção Participativa

Como anteriormente mencionado, o sucesso deste processo depende de uma boa colaboração entre os participantes. Uma forma de fortalecer esta colaboração é convidar outras pessoas exteriores ao grupo de criação para criticarem e comentarem o trabalho do grupo. Estas poderão apresentar novos desafios ou oportunidades de conceção ou ter sugestões a dar quanto a ferramentas diferentes. Se o workshop de criação incluir mais do que um grupo a trabalhar na elaboração de Atividades de Aprendizagem, pode experimentar as seguintes abordagens.

  1. Peça a um membro de cada grupo (talvez o mais comunicativo ou confiante) que passe para outro grupo para partilhar as suas ideias.
  2. Facilite uma sessão em que pede a todos os membros de todos os grupos que se movimentem pela sala para conhecer as ideias dos outros grupos e acrescentar as suas próprias notas aderentes com novas ideias, como por exemplo para ferramentas e recursos alternativos.

3 – A História de Aprendizagem

Uma vez concluídas, as Atividades de Aprendizagem podem ser usadas pelos professores para planear as aulas. (São apresentadas mais informações sobre este aspeto no Conjunto de Ferramentas 5 – Avaliar a Inovação na Sala de Aula.)

Um último passo útil, ainda que opcional, na preparação para o uso das Atividades de Aprendizagem, é a criação de uma História de Aprendizagem. Encontrará exemplos de Histórias de Aprendizagem no Diretório da Sala de Aula do Futuro.

Uma História de Aprendizagem consiste simplesmente numa forma de descrever como um grupo de Atividades de Aprendizagem "pode" ser usado em conjunto numa determinada sequência e num determinado contexto. A finalidade da História de Aprendizagem é dar aos professores uma ideia de como uma Atividade de Aprendizagem pode ser usada no âmbito da sua prática de ensino, mas nada mais do que isso. As Histórias de Aprendizagem não se destinam a ser seguidas como um plano de aula. Os professores terão de planear as suas próprias aulas com base nos objetivos de aprendizagem curriculares, nas necessidades dos alunos e nos desafios e constrangimentos locais (como tempo, local e recursos).

Use o modelo fornecido (.doc) para criar um exemplo de História de Aprendizagem para um conjunto de atividades que concebeu ou selecionou para utilizar em conjunto. Trata-se de um processo facultativo e unicamente útil como meio de auxiliar outros professores a formular ideias alternativas próprias. Poderá também querer redigir a sua história de aprendizagem, após a conclusão do seu curso, para poder refletir sobre o que funcionou e sobre o que faria de modo diferente da próxima vez.


 

Este resumo da conceção de Atividades de Aprendizagem deriva do modelo de conceção participativa da Edukata. As pessoas que facilitam este processo são incentivadas a obter materiais de apoio adicionais, conselhos e formação para garantir resultados de conceção positivos.